Destaque Release

Programa apoia artistas e empreendedores do Morro das Pedras no enfrentamento da pandemia

Somos Comunidade, patrocinado pelo Instituto Unimed-BH, incentiva parcerias, gerando renda e dando visibilidade ao trabalho de artistas e profissionais autônomos da comunidade

Mulher trans e moradora do Morro das Pedras, na região oeste de Belo Horizonte, a renda da arte-terapeuta, grafiteira e figurinista Maria Flor, assim como a de outros milhares de empreendedores que moram em comunidades, foi impactada com a epidemia global do novo coronavírus. Recentemente, porém, ela foi convidada a criar as estampas para o figurino do E-Festival, quarta etapa da atual edição do Programa Somos Comunidade, idealizado pelo Instituto Unimed-BH (IUBH) e produzido pela Coreto Cultural.

Antes mesmo desse convite, Maria Flor já participava de outras atividades do programa, como mentora nas oficinas de grafite e de figurino. “Além do lado financeiro, o retorno positivo que venho recebendo pelo meu trabalho me ajudou a ser mais confiante enquanto artista e profissional.” A artista alega que a maior vantagem, para ela, foi poder colaborar para que o projeto pudesse acontecer “e continuar a oferecer essa experiência artística tão rica, a partir da união de pessoas, conteúdos e recursos a fim de permitir que as pessoas desenvolvam e exerçam a sua arte”.

SOLIDARIEDADE

O Programa Somos Comunidade é uma evolução do Festival Cultural, idealizado pelo Instituto Unimed-BH desde 2012 e executado pela Coreto Produções. Desde o início, a intenção do Instituto era envolver mais a comunidade do Morro das Pedras na produção e execução das atividades do projeto. Ao longo dos últimos anos, a proposta do festival foi reformulada e ele se transformou em um programa amplo, com atividades formativas e de valorização dos moradores do Morro das Pedras. No ano passado, os organizadores do Programa Somos Comunidade se viram diante das restrições impostas pela pandemia. Para contornar a situação e manter a iniciativa, as ações planejadas foram adaptadas para o formato online e contaram com uma maior participação das pessoas da comunidade. Além disso, o Programa identificou empreendedores locais para que fornecessem seus produtos e serviços em apoio à execução das atividades, principalmente nas oficinas e na produção do e-festival.

De acordo com a diretora Institucional do Instituto Unimed-BH, Maria das Mercês Quintão Fróes, os cenários trazidos pela epidemia global do novo coronavírus exigiram essa capacidade de reinvenção. “Foi necessário adaptar a condução das iniciativas e projetos, mantendo o olhar humanizado para as necessidades das pessoas nesse momento. Nossa intenção foi oferecer conteúdo formativo e diversificado, atrelado ao empreendedorismo cultural criativo, de forma a ampliar as possibilidades de inserção dos empreendedores comunitários no mercado de trabalho e auxiliá-los nas suas jornadas de criação e consolidação de negócios”, explicou. Mercês ainda reforça: “O Somos Comunidade materializa um dos pilares da Unimed-BH e do Instituto Unimed-BH, que é o cuidado com a comunidade e o fomento da economia criativa, reafirmando-se não somente como um produto cultural, mas como um instrumento de transformação social”.

OPORTUNIDADE

Mais um artista local que se beneficiou com o Somos Comunidade, foi o rapper Vinícius Silva Lima, conhecido como “Vinição”. Morador do Morro das Pedras desde que nasceu, há 29 anos, descobriu o interesse pela cultura hip-hop ainda criança. “Comecei a escrever rimas aos dez anos de idade. Logo passei a ser convidado a declamar poemas na escola e colaborar na apresentação de trabalhos de colegas.” Buscando se aprimorar, inscreveu-se na oficina de percussão oferecida pela Escola de Artes e, ao conhecer melhor o projeto, também participou de um show na Avenida Silva Lobo, via próxima ao Morro das Pedras.

Segundo o rapper, foi uma experiência marcante, pois identificou ali uma chance para diversificar e ampliar a visibilidade do seu trabalho. “Antes, eu sempre participava de eventos voltados para público que curte hip-hop. Aquela foi a primeira vez que me apresentei para uma audiência mais variada e para pessoas da minha própria comunidade”, lembra Vinícius. Este ano, já considerado um dos grandes nomes da rima improvisada, após vencer inúmeros duelos de MC’s, sentiu-se honrado pela oportunidade de participar da gravação de um single da sambista carioca Elza Soares, a convite do Somos Comunidade, junto com outros artistas da comunidade do Morro das Pedras.

“Sou da comunidade e vim da comunidade, mas descobri que posso ir mais além. Às vezes precisamos apenas de um empurrão, um direcionamento, de conhecer outras pessoas com quem podemos trocar experiências e parcerias. O Somos Comunidade faz isso.” Vinição

EMPREENDEDORISMO

Rick Silva e Fred Amorim são outros dois empreendedores cujos negócios sofreram forte impacto pelas restrições impostas pela pandemia, mas que souberam aproveitar as oportunidades que o projeto Somos Comunidade ofereceu ao promover um maior envolvimento da comunidade local. Cantor e instrumentista, formado em captação de áudio e mixagem pelo Estúdio-Escola Gunga, Henrique “Rick” Silva Cardoso, de 27 anos, conta que, a partir de março de 2020, a agenda de shows de sua banda de pagode ficou praticamente vazia e sua outra fonte de renda, como técnico no estúdio-escola da comunidade, também teve a demanda muito reduzida.

No entanto, por meio de uma indicação pelo Grupo Cultural Arautos do Gueto, parceiro do Somos Comunidade por meio da Escola de Artes Instituto Unimed-BH, o estúdio de Rick Silva foi escolhido para realizar as gravações programadas para o E-Festival, com previsão de lançamento em agosto. Além disso, Rick também foi convidado para participar e cantar na gravação de um clipe da artista Fernanda Takai. “O projeto Somos Comunidade ajuda demais, pois movimenta a comunidade e apoia os artistas locais. Agradeço pela parceria e espero que o projeto continue por muitos anos, para que outras pessoas aqui do Morro das Pedras também possam ter acesso a esse tipo oportunidade”, conclui o cantor.

“Não temos muito dinheiro. Nossa riqueza é a nossa arte e as pessoas se unem para ajudarem umas às outras. Quando a gente acredita no Morro, isso se reflete em um futuro melhor para todos.” Fred Amorim

Faz cerca de três anos que o empresário Frederico Amorim, de 30 anos, se envolveu pela primeira vez com o Somos Comunidade. Ele é morador do Morro das Pedras e proprietário de um buffet especializado no fornecimento de comida para eventos. Com a chegada da COVID-19, o empresário viu seu faturamento cair cerca de 90%. “Sem os eventos, passei a vender pão de queijo congelado e kits de alimentos para não fechar as portas.” Foi quando, a partir do segundo semestre de 2020, ele foi contratado para fornecer a alimentação para as equipes e participantes das oficinas e outras ações do projeto, contribuindo para a sustentabilidade de seu buffet durante a crise. Além disso, a partir de sua vivência anterior com eventos, ele também foi convidado a atuar na produção do Somos Comunidade, facilitando a execução das atividades. “Não imaginava que seria capaz, mas aceitei. Foi uma surpresa muito grande descobrir essa vocação. A partir de agora, quero investir também na carreira de produtor, em paralelo ao buffet.”

Fred Amorim completa que vê com bons olhos esse maior envolvimento do projeto com a comunidade. “Antes, o programa era mais restrito aos participantes das oficinas, festivais e da Escola de Artes Instituto Unimed-BH. Hoje, a partir dessa aproximação com os moradores, mais gente aqui do Morro conhece, colabora e abraça as ações do Somos Comunidade.” Segundo o empresário, além de oferecer uma visibilidade importante para os artistas locais, as iniciativas do projeto também ajudam na redução da violência na região. “Havia muita rixa entre as vilas. A partir das atividades culturais e da participação maior das famílias nessas ações, isso acaba por inibir ações violentas. O Morro precisa disso.”

ETAPAS DO PROGRAMA

A atual edição do Programa Somos Comunidade reflete a expansão e amadurecimento do Festival Cultural e sua realização se divide em cinco etapas: Mapa Afetivo, HackaCom, Formação, E-Festival e Morro Talks. Recém encerrada, a terceira etapa promove a oferta gratuita de cursos de curta duração para agentes culturais, técnicos e artistas da comunidade, com o objetivo de fornecer capacitação e aprofundamento em temas vinculados à cadeia produtiva da cultura e que colaborem com o fortalecimento dos empreendimentos criativos do Morro das Pedras.

Essa é uma das etapas que conta com um maior envolvimento da comunidade, estimulando por meio da capacitação a possibilidade de geração de trabalho e renda. Isso foi possível não apenas pela maioria dos monitores das oficinas serem moradores da própria comunidade, mas também porque a organização do programa decidiu privilegiar a contratação de produtos e serviços a partir de empreendedores e fornecedores locais, como é o caso de Fred Amorim, responsável pelo buffet que fornece alimentação para as pessoas da produção e para as equipes envolvidas no festival. “Antes, eu já estava envolvido por acreditar no Somos Comunidade. Sou muito grato por ter tido, agora, a oportunidade de participar de forma remunerada e ainda mais ativa”, comemora Amorim.

A quarta etapa do projeto é a produção de um festival em formato híbrido, com intervenções artísticas, criadas e produzidas a partir dos resultados, ideias e talentos identificados nas três primeiras etapas, e que estão sendo gravadas e serão compartilhadas com a sociedade por meio de plataformas digitais. O evento contará, também, com a participação de outros artistas, coletivos e grupos da cidade de Belo Horizonte, profissionais e amadores, proporcionando um intercâmbio artístico rico com os alunos da Escola das Artes. A nova montagem, com direção geral de Lílian Nunes e Chico de Paula, tem direção musical do violonista Gilvan de Oliveira e direção de cena de Inês Amaral, diretora e bailarina do Grupo Camaleão. Após o festival, o Programa Somos Comunidade se encerra com a quinta e última etapa. Em formato de palestras comunitárias, o Morro Talks tem o objetivo de incentivar profissionais, empreendedores e jovens do Morro das Pedras, participantes do programa, a compartilhar suas experiências e aprendizados com outros moradores.

INSTITUTO UNIMED-BH

Associação sem fins lucrativos, o Instituto Unimed-BH, desde 2003, desenvolve projetos socioculturais e ambientais visando a formação da cidadania, estimular o bem-estar e a qualidade de vida das pessoas, ampliar o acesso à cultura, valorizar espaços públicos e o meio ambiente. Ao longo de sua história, o Instituto destinou cerca de R$140 milhões por meio das Leis municipal e federal de Incentivo à Cultura, viabilizado pelo patrocínio de mais de 5,2 mil médicos cooperados e colaboradores. No último ano, mais de 7 mil postos de trabalho foram gerados e 3,9 milhões pessoas foram alcançadas por meio de projetos em cinco linhas de atuação: Comunidade, Voluntariado, Meio Ambiente, Adoção de Espaços Públicos e Cultura, que estão alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030. Neste ano, todas as iniciativas do Instituto celebram os 50 anos da Unimed-BH. Clique aqui e conheça mais sobre os resultados do Instituto Unimed-BH.

Related Posts